O que são os Sete Princípios da Psicologia Positiva?

Já se questionou por que algumas pessoas obtêm sucesso e outras não? 🤔

O que vem primeiro, o sucesso ou a felicidade? O sucesso leva à felicidade? 🤔

O psicólogo Shawn Achor passou 12 anos da vida dele em Harvard estudando o que levava alguns alunos, um de cada cinco, a continuarem desempenhando acima da média em termos de felicidade, desempenho, realização, produtividade, senso de humor, energia ou resiliência e outros não.

Depois de pesquisas com 1600 alunos de Harvard e dezenas de empresas da lista Fortune 500 ao redor do mundo, ele chegou a conclusões surpreendentes sobre o que leva algumas pessoas a terem sucesso e prosperar em ambientes desafiadores, enquanto outras afundam e nunca realizam seu potencial. Diante do volume de pesquisas, ele isolou sete padrões que se tornara o que ele chama de Os Sete Princípios da Psicologia Positiva. Acompanhe!

1 – O benefício da Felicidade

Em um experimento, as pessoas foram predispostas à positividade ou à negatividade e depois solicitadas a olhar uma série de fotos. As que foram colocadas num clima negativo não processaram todas as imagens contidas nas fotos, deixando de ver partes substanciais do plano de fundo. Já aquelas com estado de espírito positivo viram tudo. As emoções positivas nos fazem ver mais do que está ao nosso redor.

Podemos atingir esse estado com pequenos estímulos de positividade, seja ouvindo música, praticando exercício físico, ou até mesmo aguardando aquela viagem que vai acontecer nas suas férias. Mas isso varia de pessoa para pessoa.

Reflita e encontre o seu propulsor de felicidade para usá-lo antes de cada desafio. Porque quando estamos felizes, nossa atitude é positiva, nos tornamos mais inteligentes, criativos, motivados e, em consequência temos mais sucesso.

2 – O ponto de Apoio e a Alavanca

Assim como numa gangorra, a pessoa mais pesada vai levantar a outra. Mas, se movermos o ponto de apoio em direção a pessoa mais pesada, a mais leve vai ser capaz de levantá-la.

A alavanca representa o potencial que acreditamos ter e a posição do nosso ponto de apoio é a atitude com a qual geramos o poder de transformação.

Em um experimento com camareiras, foi informado a metade delas quanto o exercício físico elas faziam ao longo do dia de trabalho, quantas calorias suas atividades diárias queimavam, como passar aspirador de pó no tapete é similar a uma sessão de exercícios aeróbicos e assim por diante. A outra metade das camareiras não foi informada de nada disso. Várias semanas mais tarde, as camareiras que foram predispostas a pensar no trabalho como um exercício físico não só perderam peso como sua taxa de colesterol também caiu.

Quem aqui já não foi obrigado a participar de uma reunião interminável e chata? Você pode encarar isso como um desperdício de tempo e  energia, ou encarar a reunião como uma oportunidade de aprender com o apresentador sobre como fazer ou não uma boa apresentação.

A construção mental das nossas atividades diárias, mais do que a atividade em si, é que define a nossa realidade.

Nós vemos o nosso trabalho como um emprego, uma carreira ou uma missão? Mude a sua atitude, pensando no valor que a atividade tem.

3 – O efeito tetris

Em um experimento, foi solicitado que as pessoas passassem várias horas por dia jogando tetris. Após três dias, elas começaram a ver blocos por toda a parte e visualizando como seria girar aqui e encaixar ali, como se fossem peças. Isso acontece porque elas ficaram presas a um padrão cognitivo na qual o Tetris alterou a configuração do cérebro.

Esse estudo é apenas uma metáfora de como nossas constantes atividades e comportamentos influenciam o modo como vemos o mundo ao nosso redor. Nós tendemos a não perceber o que não estamos procurando. Enxergamos o que procuramos e deixamos passar o resto.

Para ativar o efeito tetris positivo, faça uma lista de três coisas boas que aconteceram durante o seu dia ou um parágrafo contando uma experiência legal. Repita esse exercício todo dia.

4 – Encontre oportunidades na adversidade

Há três caminhos mentais depois de uma adversidade.

  1. Ficar onde está, sem mudanças.
  2. Ficar pior depois da circunstância desfavorável.
  3. Ou nos tornamos mais fortes e mais capazes de contornar a situação.

A adversidade também pode ser encarada como um erro.

Em um experimento no qual 90 pessoas participaram de um treinamento para aprender a utilizar um software, metade das pessoas foi instruída a impedir a ocorrência de erros, enquanto a outra metade foi levada a cometer falhas durante o treinamento. E foi este grupo que relatou maior eficiência e precisão na utilização do software, justamente por ter sido levado a encontrar o próprio caminho para evitar os erros.

5 – O círculo do zorro

No último filme do zorro, Don Diego (Anthony Hopkins) treina seu discípulo colocando-o dentro de um círculo menor dentro de um círculo maior. E diz: “Este círculo será o seu mundo. Sua vida toda. Não existe nada fora disso até eu dizer."

Só depois de dominar aquele primeiro círculo e pouco a pouco os demais é que o discípulo começou a se transformar em Zorro, a lenda, assumindo o lugar de Don Diego.

Então, restringir seu foco a metas pequenas e realizáveis pode expandir a sua esfera de poder.

Pense grande, mas comece pequeno.

6 – A Regra dos 20 segundos

Shawn queria aprender a tocar violão. Sabia que levaria 21 dias para formar um novo hábito e todo dia caminhava até seu quarto e tirava o violão de dentro do armário. Todo aquele esforço adicional demorava 20 segundos, até que no quarto dia ele desistiu de tocar.

Shawn usou a energia de ativação a seu favo. Ele comprou um suporte de violão e deixou no meio da sala de estar, e, em vez de estar a 20 segundos de distância, o violão estava sempre disponível.

Por natureza humana somos conduzidos a ir pelo caminho da menor resistência, que muitas vezes nos leva a procrastinação.

Quanto menos energia for necessária para dar início ao um hábito positivo, mais chances há de esse hábito se desenvolver.

7 – O investimento social

Amanda e Brittney eram colegas de quarto em Harvard. Ambas eram animadas e espirituosas e já no primeiro mês de aula fizeram várias amizades. Mas, à medida que os exames do primeiro trimestre se aproximavam, os caminhos delas começaram a divergir.

Sob pressão cada vez mais intensa, Amanda encontrou um cubículo isolado na biblioteca e passou a maior parte de seus dias e noites lá. Ela começou a faltar nas atividades sociais do dormitório e ela não tinha tempo para frivolidades, como repartir refeições ou conversar com os colegas. Era jogadora ativa da equipe de frisbee do nosso dormitório, mas deixou de comparecer aos treinos e aos jogos.

Enquanto isso, Brittney, em vez de se isolar, organizava grupos de estudo. Para uma determinada matéria do período, ela enviou um e-mail a um grupo de seis amigos e propôs que cada um elaborasse um resumo da leitura obrigatória e se reunissem no almoço algumas vezes por semana para trocar notas e observações.

Um ano se passou. Amanda sucumbiu à pressão e ao estresse e desejava ser transferida para uma instituição menos competitiva. Já Brittney estava feliz, bem ajustada e apresentando um desempenho excepcional em seus cursos.

Elas representam as escolhas que cada um de nós temos quando nos vemos diante da adversidade. Muitos acreditam que o sucesso é o caminho que deve ser percorrido sozinho, mas isso simplesmente não é verdade.

Estudos demonstram que, quanto mais os membros de uma equipe são encorajados a socializar e interagir, mais eles se sentem engajados, mais energia têm e mais tempo conseguem passar concentrados em uma tarefa. Ou seja, a coesão social traz melhores resultados no trabalho.

As pessoas que entrevistamos em empresas feitas para vencer claramente adoravam seu trabalho em grande parte porque adoravam as pessoas com quem trabalhavam.

Sabiam que Thomas Edison inventou a lâmpada com a ajuda de trinta assistentes? Ele era um criativo social.

Lembre-se: a sua rede social de apoio é o seu maior ativo.

Mesmo Shawn para escrever este livro teve a ajuda de várias pessoas.

Quer se aprofundar no tema?

Acompanhe a versão completa do livro aqui:

The Happiness Advantage: The Seven Principles of Positive Psychology That Fuel Success and Performance at Work (Título original)

http://lelivros.website/book/baixar-livro-o-jeito-harvard-de-ser-feliz-achor-em-pdf-epub-e-mobi-ou-ler-onlinee-ser-feliz-achor-em-pdf-epub-e-mobi-ou-ler-online/

E o TED aqui: https://www.ted.com/talks/shawn_achor_the_happy_secret_to_better_work

E lembre-se que é necessário foco e empenho para aplicar estes princípios na prática e só então os resultados começarão a surgir. E o retorno é enorme. 😁

“O objetivo ao qual dedicamos nosso tempo e focamos nossa energia mental pode de fato se transformar na nossa realidade.” 😉

Por Zhang Yi Ling, estatístico e voluntário do Instituto CEO do Futuro.

Conteúdo relacionado